sexta-feira, 27 de março de 2015

RIQUEZA MINERAL

POBRE RICO: Minérios de Parauapebas vendidos até hoje comprariam um Pará e meio

Foto: Arquivo
De acordo com o engenheiro de minas André Santos, a história foi bastante generosa com Parauapebas, que chega a 27 anos com muitos episódios de pompa e circunstância. “A mineração fez a fama do PIB grandioso do município de Parauapebas, ao passo que, numa escala geográfica menor, os royalties botaram no mapa de respeito do Brasil a cidade e, principalmente, a prefeitura”, destaca Santos, fazendo ilações. “Em termos de população, se fizéssemos uma fila de todos os municípios brasileiros, teríamos 5.570. Parauapebas seria o de número 157 nessa fila. Mas quando vamos enfileirar os municípios por produção econômica e por receitas das prefeituras, a coisa muda de lugar”.

Ele revela que, em se tratando de produção econômica, pelo último dado que há disponível, referente a 2012, Parauapebas está na ordem 34; já em se tratando de receitas, o dado mais recente, de 2013, mostra que a prefeitura local é a de número 40 na fila e desbanca até a prefeitura de capitais poderosas, como Florianópolis, em Santa Catarina.

De Parauapebas já foram retirados ao longo da história R$ 148,65 bilhões em minérios de ferro e manganês. Grosso modo, com esse dinheiro, seria possível ‘comprar’ quase dois Parás, já que o PIB do Estado é estimado em R$ 91 bilhões. Dessa produção monetária de minérios, um total de R$ 2,97 bilhões foram retornados como compensação financeira. E destes quase três bilhões, R$ 1,93 bilhão foram parar na conta-corrente da prefeitura ao longo de mais de duas décadas”, contabiliza.


Reportagem especial: Bariloche Silva – Da Redação do Portal Pebinha de Açúcar. Postador: Manancial de Carajás

Nenhum comentário:

Postar um comentário